Bola, zero

É fácil de perceber que o meu entusiasmo pelo futebol se desvaneceu no último mês, é tal  o caos que se me perguntassem como é que me sinto como sportinguista eu diria “sinto-me dormente”.

Não vou desfiar as minhas razões e preferências, neste mês já pensei tudo e o seu contrário e não tenho muitas certezas, coisa que em si não é necessariamente má. O clube está num imbróglio jurídico que vai levar muitos meses a desatar, sei que há dois lados da barricada, ambos os lados convencidos de que o outro está a destruir o clube. Por cima das barricadas, nas janelas dos prédios adjacentes, os franco atiradores vão disparando, quer seja por verem lucros possíveis quer seja pela simples satisfação de ver o SCP reduzido e humilhado.

É impossível que alguém veja as capas do CM no último mês e não desconfie que eles têm uma agenda muito para  além de informar e acompanhar um assunto , é nítido que o jornal, tal como os “desportivos” , tem claramente partido e opção e faz campanha, a ética e a deontologia enfiadas numa prateleira alta. O Sporting é grande mas não é assim tão grande que mereça capas diárias do jornal nacional de maior tiragem, a menos que os proprietários e directores do mesmo tenham um “projecto”.

A esta agitação e deserções de jogadores não é estranho o começo do Mundial, a montra por excelência e hipótese de valorização e progressão na carreira. Para quem não sabe como tem funcionado a Selecção nos últimos tempos deixo um exemplo que deve ser bastante: Adrien Silva foi muitos anos capitão e estrela do SCP, sem ser convocado. Passou a ser agenciado por Jorge Mendes, saiu do SCP e foi o que bastou para passar a ser convocado.

Quanto mais não seja porque vou trabalhar todos os dias às 6 não fazia conta de acompanhar o mundial, mas ontem vi o vídeo com a “canção de apoio” à selecção. Vi no vídeo o Rui Patrício, o William e o Gelson e senti um aperto no estômago, não os via desde a final da Taça e muito mudou desde aí. Depois vi que a musiqueta era em inglês e foi o que bastou para dizer quero lá saber deste campeonato do mundo.

Sobre os jogadores o que tenho a dizer é que compreendo perfeitamente que não quisessem jogar mais no clube  depois das agressões em Alcochete e que não estivessem dispostos a trabalhar para um gajo com o feitio do Bruno de Carvalho. Tudo bem, diziam que queriam sair e apareceriam clubes interessados. O modo e o timing como o fizeram é nojento. Nunca na vida lhes vou perdoar terem confundido o clube,  que  no caso do Patrício, William e Gelson, lhes deu tudo, com o actual presidente. Nunca lhes vou perdoar terem passado este mês a ver os sportinguistas desesperados sem se dignarem a mandar-nos uma mensagem , um postzinho que fosse numa rede social, destinado aos 170 mil sócios e milhões de adeptos que sempre, sempre os defenderam,  apoiaram e pagaram os ordenados milionarios. Não foram capazes de nos dizer nada,  nada, e isso não se perdoa.

Numa época em que o SCP foi campeão de hoquei, andebol, volei, atletismo e sei lá que mais, quando a SAD dava lucro e estava a ponto de passar definitivamente para controlo dos sócios, só ouvimos dizer que o clube está de rastos,  as TVs dizem e o povo acredita. Sei que o SCP vai continuar e, desportivamente, recomeçar , nem que seja com uma equipa de berlinde, porque há centenas de milhar que não acreditam em tudo quanto lêm, gostam do seu clube, não o confundem com indivíduos e sabem que tudo passa mas o clube fica.

Aos jogadores, que se deixaram manipular por empresários (os únicos que têm muito a ganhar com rescisões e novas transferências)  e que confundem 170 mil sócios e 3 milhões de adeptos com 50 hooligans e um presidente desequilibrado, estimo bem que se fodam valentemente nas suas carreiras futuras, a começar pelo Patrício que ao que parece vai para esse colosso do futebol mundial que é o Wolverhampton.Como o título de campeão pelo SCP lhe falta, ao menos aí pode compensar lutando pela manutenção na liga inglesa. Já neste mundial vai ter sorte, enquanto foi jogador do SCP era gozado e criticado a cada falha, agora esta livre desse empecilho, já todos o reconhecem, valorizam  e apoiam. Se por acaso cometerem o erro de assinar pelo SLB  devem lembrar-se que a maior parte dos hooligans que invadiu Alcochete está presa mas que esta novela criou mais umas centenas de malucos desejosos de lhes acertar o passo, pelo que a vida em Lisboa vai ser a olhar por cima do ombro, é triste mas é verdade.

Não sou capaz de ver um jogo da selecção nestas condições, mesmo que não estivesse a trabalhar à hora da maior parte deles. Claro que não sou capaz de desejar insucesso a uma equipa que leva a bandeira do meu país, mas além dessa não sinto mais ligação de espécie nenhuma com aquela gente. A maior parte da minha ilusão e gosto  pelo futebol morreu este mês.

Não tenho esperança nenhuma de que a podridão e corrupção épicas do futebol e da comunicação social nacional alguma vez sejam limpas ou mesmo amenizadas, tive-a até há pouco tempo com o Bruno de Carvalho, enquanto o via endireitar e devolver o orgulho ao clube e a justiça finalmente a investigar a corrupção, mas o Bruno de Carvalho descarrilou e deixou-nos a pensar “mas o que é isto?”, e o SLB conseguiu , justiça seja feita à frieza, alcançe  e eficiência, desviar as atenções, ter as investigações judiciais sob controlo e os seus adeptos pacificados. Parabéns  por isso.

Tristeza, desilusão e alguma raiva, é tudo o que eu sinto pelo futebol nestes dias.

 

 

 

Anúncios

Estado de Choque

Uma das muitas vantagens de viver aqui é não ter que conviver com adeptos dos clubes rivais tão ferrenhos como eu, nunca os ouvir nem aturar. Bastava-me não ir ao mais importante café da vila em dias de jogo, e não me custava nada ouvir uma  boca cruzada de vez em quando, entrava-me por um ouvido e saía-me por outro, até porque o nível do debate que ouço é quase sempre inane.

Claro que conheço vários portistas e benfiquistas mas nunca me chatearam, por uma  simples razão : eu nunca os chateei  a eles. Toda a gente sabe  que eu sou  do Sporting porque todos os jogos lá estava em frente à TV num café, e quando esse fechou, no outro, mas sempre. Quando o SLB foi campeão ouvi um foguete  e passaram na estrada ao pé de casa uns 5 carros a apitar, depois passaram para baixo e foi só isso, este ano com o FCP foi só o foguete.

Não tenho TV, uma das principais razões de nunca desconfiar muito nem me fartar do Bruno de Carvalho, nunca o via nem o ouvia e muito menos aos abjectos programas de TV que moem e remoem e regurgitam e voltam a remoer questões e pormenores de merda com um nível de merda, em todos os canais.  Como é que sei que eram abjectos se não os via? Porque me bastavam excertos de 5 ou 10 segundos que ia apanhando na net e porque lia o suficiente sobre os comentadores e jornalistas em sentido lato que durante anos fizeram de fomentar a discórdia e espalhar intrigas e  ódio o seu ganha pão.

Via as capas dos jornais quase todos os dias e sempre soube que um dos mais graves problemas do desporto português era ter 3 jornais  desportivos diários . Como somos um país que não se interessa por desporto que não seja o futebol esses três jornais dedicam 95% ao futebol e têm que arranjar material para encher páginas todos os dias, dia após dia, num país do tamanho do nosso. Quem não sabe, inventa, e eles nunca se fizeram rogados. Não sei como é possível alguém acreditar que um jornalista português se especializa em desporto e não tem um clube preferido, mas é o que se fingiu acreditar e talvez ainda finja. As pessoas que seguem o tema compreendem-me perfeitamente, às outras não as vou estar a enojar com exemplos.

O meu avô era sócio 1900 e tal do SCP e o meu tio materno era Leão de Ouro, esse tio morreu o mês passado e teve com isso a graça de ser  poupado a isto que vivemos hoje, ia-lhe partir o coração. Ofereceu-me uma assinatura do jornal do clube, pensei, se é para saber como vão as equipas e o clube realmente mais vale confiar nos meus do que nesta seita que, comprovadamente, faz todo o dia fretes aos adversários e além do mais não tem nada de realmente importante a informar. As TVs fazem directos de um aeroporto se uma equipa vai jogar ao estrangeiro ou se chega um jogador, certamente que não sou o único a achar isso um absurdo mas sempre foi assim. Como é possível?

Quando o meu sobrinho mais velho tinha 5 anos cheguei um dia a casa da minha irmã e comecei-lhe a falar de futebol. “Sou do Benfica”, tentou ele. Peguei-lhe, fomos ao estádio (felizmente mora ali ao pé) , comprei-lhe um equipamento completo com nome nas costas e tudo ( felizmente nessa altura podia) e no fim de semana seguinte fomos ver um Sporting – FCP que vencemos com um golo do Marius Niculae. Remédio santo, o meu sobrinho  é sportinguista de gamebox, e  percebe muito mais de bola do que eu, por ter jogado…nas escolas do SCP, e se calhar até podia ter dado um bom trinco ou defesa central mas felizmente teve juízo.

No mês passado ao telefone os outros cinco sobrinhos pequenos que tenho fizeram questão de me lembrar que este ano no Natal era para irmos  ver o Sporting como eu tinha prometido, eles nunca se esquecem, moem a cabeça ao meu irmão com isso e eu já fazia contas à vida e ao calendário. Já lhes tinha dito que nós não ganhamos sempre, aliás, ganhamos muito raramente , mas que isso não é tudo. O importante é dar sempre o melhor, jogar com lealdade,  e lutar até ao fim. Para nós que não jogamos, o importante é a festa,os amigos , a conversa, a emoção e saber que de cada vez que começa um jogo nós temos sempre a possibilidade de o ganhar. Estas últimas já não me lembro de lhas ter dito mas acreditava nisso e certamente que lho diria se este Natal fôssemos a Alvalade. Creio bem que não vamos. Já não tenho condições para arcar com a responsabilidade de ter sido quem pegou a doença do futebol  àquelas crianças.

Ainda estou em estado de choque com as notícias dos últimos dias, primeiro com o vandalismo na academia em Alcochete. É-me muito difícil compreender como é que um adepto de um clube faz uma coisa daquelas, o que é que eles esperavam com aquilo, o que é que pensaram que ia acontecer? Que se iam safar? Que os jogadores iam jogar melhor? Que ninguém ia saber? Que 99,9% dos adeptos não os iam detestar para todo o sempre? Como é que se atinge um grau tão alto de estupidez e maldade colectiva a ponto de ir bater nos atletas do próprio clube? De tantos “agentes desportivos” em que podiam bem ter enfiado uns pares de bofetadas  (o Expresso hoje fez uma notícia com o título : NOS estaria a pensar rescindir o contrato com o Sporting” , apreciem  esse título com calma, publicado depois de a NOS ter desmentido qualquer intenção dessas) foram agredir os jogadores . Ah , estás a ver , também tu a incentivar a violência, não estou a incentivar nada, estou a dizer , depois dos factos, que entenderia melhor se tivessem sido outros os alvos.

Depois das cenas miseráveis em Alcochete, quando ainda andava aqui à procura da rolha, a pensar quem me dera ter um sportinguista com mais de dois neurónios aqui ao pé, de preferência um amigo, com quem falar e desabafar sobre isto, a pensar na vergonha imensa que uma acção dessas traz ao clube e em tudo o que levou a isso , eis que sou brindado com a noticia de que a PJ prendeu dirigentes do SCP, indícios de corrupção. Ainda não me aguentava bem de pé e ia caindo outra vez.

Há um ano que se revelam regularmente indícios de corrupção e tráfico de influências de outro clube , não via acontecer nada mas mantinha as esperanças . No dia a seguir a  serem revelados esses indícios no meu clube há logo prisões. Como é que vocês se sentiam? Não só verem  confirmadas as suspeitas de sempre de que em Portugal há dois ou três pesos e  outras tantas medidas como afinal, o vosso clube, que vocês acreditavam não uma virgem pura mas ao menos um clube com quanta dignidade quanto possível manter no futebol, também é corrupto. Um presidente cujo cavalo de batalha era a verdade desportiva também permitiu isso. Traição da mais vil.

Como não acredito que em Portugal se prendam pessoas, tarde ou cedo, por meras suspeitas, não faço como a esmagadora maioria dos adeptos adversários que, até hoje, quando os confrontávamos com os indícios claros de corrupção no seu clube, nos mandavam jogar à bola e diziam que não havia ali nada a não ser  inveja, ressabiamento  e cabalas.

O que fazem ou não aos outros já não me interessa, não espero que aconteça nada, quem pode é que manda,  o que espero e exigiria se pudesse exigir alguma coisa era que no Sporting a direcção se demita já , toda,  que  a direcção seguinte extinga as claques e interdite em perpetuidade os hooligans do estádio.Depois disso, a serem provadas as acusações de corrupção, que tudo indica ser fácil ( não tanto como ler 5gb de emails oficiais de um clube mas ainda assim fácil) , que nos façam a única coisa que pode aliviar um pouco a humilhação tremenda por que passam agora todos os sportinguistas honrados : descida de divisão , para as distritais se for preciso, e retirada dos títulos que tenham sido conquistados com práticas corruptas.  Expiação.

Domingo é a final da Taça de Portugal. Os jogadores já disseram que vão a jogo. O treinador, não faço idéia mas deixem um  dos juniores orientar a equipa que vai dar ao mesmo. As bancadas vão estar cheias de leões profundamente tristes e envergonhados mas que nunca abandonariam a equipa. O presidente da república , ambas as palavras deliberadamente com minúsculas , já disse que não se sentiria à vontade  na tribuna com o que ainda é , queiramos ou não , o presidente do clube. Também acordou agora  para a violência e corrupção no desporto e não pode deixar de cavalgar a onda, a única coisa que sabe fazer . Já lhe tenho asco.

Talvez haja violência, basta irem as claques em peso com as tarjas e cores para atrair muito sportinguista que não é de claque nenhuma e está cheio de vontade de lhes dar um bocado do próprio veneno. Piorar não pode, eu gostava de os ver a levar nos cornos do Jamor até Carcavelos à frente da polícia de choque, esgotei a tolerância, todo o bem que fizeram ao clube sob a forma de apoio durante os jogos foi por água abaixo. Com grupos organizados de adeptos tem que ser à inglesa, importamos tanta merda do estrangeiro todos os dias , as coisas boas tardam ou não chegam.

A final da Taça costuma ser uma festa mas este ano, mesmo que o SCP ganhe o jogo, o que está muito longe de ser garantido, não vai haver festa nenhuma nos corações dos verdadeiros sportinguistas, o mal está feito e o tempo de recuperação de  coisas destas mede-se em anos.

Quanto ao que agora calculo estarem a debitar os comentadores e politicos e jornalistas, todos a falar sobre o que deve ser feito , desconfio que não vai ser feito nada ou quase nada. Se bem conheço estes calhordas calculo que se vá criar mais um organismo estatal com mais uns directores e subdirectores a peso de ouro para encomendar uns estudos que vão concluir que há muita violência e corrupção no futebol e que é imperioso fazer alguma coisa. Os jornais e as televisões vão prosseguir tal e qual. O  FCP é campeão pelo que não tem interesse nem vontade de mudar nada e até porque o seu processo já foi arquivado. O SLB está protegido por 6 milhões de adeptos,  juízes, primeiros ministros, inspectores, jornalistas e  todos os bons chefes de família e todas as cúpulas que podem decidir e metem medo a quem tem cu, como se costuma dizer. Cabe ao SCP, agora atolado nesta miséria, expurgar-se a si próprio, aguentar a humilhação, descer de divisão se for preciso e renovar-se. Se descermos de divisão recupero o meu antigo número de sócio,  volto a pagar quotas e levo os meus sobrinhos à bola, para lhes explicar que somos um grande clube, tão grande como os maiores da Europa mas que estamos a jogar com o Cascalheira e o Real de Massamá por causa de ganância, falta de carácter, desonestidade e mentira, e se não querem acabar a jogar com os cascalheiras da vida têm que evitar essas coisas como a peste.

O Diogenes era um filósofo cínico que costumava andar pelas ruas da sua cidade de Sínope, carregando uma lanterna durante o dia , dizia que estava à procura de um homem honesto. É desse homem que o Sporting Clube de Portugal precisa agora, um homem tão difícil de encontrar que é precisa uma lanterna à luz do dia.

 

 

Natal Lagarto

Um dos últimos comentários  jocosos que ouvi depois da eliminação do Benfica na Taça de Portugal foi “agora já sabemos como os sportinguistas se sentem no Natal”.  A boca vem de demasiados anos em que o Sporting, chegado a Dezembro, já estava afastado da maior parte das competições, senão de todas.  A expressão pegou de estaca mas  este ano , em que o Sporting lidera as tabelas no futebol, futebol feminino, futsal, hóquei a andebol e se mantém com possibilidades de vencer todas as competições, os benfiquistas recorrem a outro género de bocas, como essa.  A questão é que não é verdade, os benfiquistas foram  humilhados na Liga dos Campeões, eliminados da Taça de Portugal e não estão a jogar nada em Dezembro mas não sabem, nem nunca saberão, como se sentiam os sportinguistas em natais passados, por uma razão muito simples: os sportinguistas , além de desiludidos, sentiam-se roubados.

Existem várias diferenças importantes entre os  clubes, uma salta à vista neste facto : Jorge Gonçalves ganhou a presidência do clube, esteve lá cerca de 8 meses até ser corrido depois de se perceber que era um trafulha. Vale e Azevedo  ganhou a presidência do clube depois de ter sido expulso da Ordem dos Advogados por  falta de idoneidade moral e foi presidente 3 anos. Isto  indica um nível muito maior de tolerância a escroques e não me esqueço nunca de que numa altura em que se denunciava e combatia o arqui-corrupto Pinto da Costa, Vale e Azevedo se apresentava como “o Pinto da Costa Vermelho”, ou seja, ele não queria acabar com a corrupção, queria fazê-la trabalhar para a glória do seu clube. Com isto foi levado em ombros na Luz, são coisas destas que mostram que aquela conversa do “são todos iguais”  não vale.

Tal como tolerou e aplaudiu  Vale e Azevedo , a nação benfiquista acolheu, aclamou e deu carta branca a Luís Filipe Vieira, um indivíduo que já tinha passado pelo Alverca FC e cuja herança está patente na situação desse clube  hoje em dia (joga nas distritais) , que era sócio dos 3 grandes ( expliquem-me uma razão válida para isto) , que apresentava no CV uma condenação na justiça por roubo de um camião e que acumulou uma dívida de cerca de 400 milhões ao BPN, logo, ao contribuinte. Pareceu-lhes uma pessoa idónea e talhada para comandar o glorioso, e as vitórias apareceram.

A partir de uma certa altura a coisa começou a cheirar muito mal, tornava-se claro que havia demasiadas coincidências nas escolhas dos árbitros, nas decisões dos mesmos, nos castigos, nas convocatórias das Selecções, nas noticias da imprensa. O que para alguns eram coincidências inocentes para outros eram indícios de que o poder do Benfica ia muito para lá do futebol jogado por 11 em 90 minutos e que se fazia muita coisa no limite , ou mesmo para lá da Lei.

O caso dos vouchers é paradigmático: o Sporting queixava-se das prendas dadas pelo Benfica aos árbitros. Primeiro o Benfica dizia que não dava prendas nenhumas; depois admitiu que dava mas que eram irrelevantes; depois admitiu que eram significativas mas que não suficientes para influenciar os árbitros, e  por fim comprometeu-se a dar vouchers mais pequenos.  A PJ descobriu uma rede de tráfico de cocaína cujo ponto de venda era a porta 18 do Estádio da Luz, não aconteceu nada (ainda) porque se quer fazer crer que isso se podia passar sem que ninguém de responsabilidade no clube soubesse de alguma coisa. Depois há as claques,  como nos outros clubes mas  lá são ilegais, dado que não se registam nem o Estado cumpre a lei que as obriga a registar-se. Mais uma vez diz-se que são todas iguais mas  há pelo menos uma diferença, as do Benfica, além de ilegais,  já vão em dois assassínios.  O presidente diz que não sabia que o clube tinha claques, é talvez o único no país que não sabe. Também está registada uma sua frase lapidar que num país decente lhe teria valido o afastamento do futebol: “não é preciso ter os melhores jogadores se tivermos as pessoas certas nos lugares certos”.  Não acontece nada.  A PJ  investiga outros indícios de corrupção e quer fazer buscas no estádio, um  juiz não permite, bloqueia a investigação. Também esse juiz sente a chama imensa, é Águia de Ouro e a ideia de ver a PJ a devassar a Catedral é-lhe dolorosa demais. Para salvaguardar aparências, dá-se aviso e tempo suficiente para que o clube sanitize e organize os arquivos, e então lá vai a PJ. Lindo. Deputados, ministros , secretários de estado, directores gerais, centenas de funcionários como esses que nunca permitiriam nada na sua esfera que pudesse prejudicar o seu clube garantem a segurança. Enquanto  tudo isto se passa os benfiquistas atiram-nos os 15 anos sem ganhar o campeonato, aldrabam o número de títulos próprios e a data da fundação e mandam-nos jogar à bola.

A equipa era forte, construída com as ligações de Jorge Mendes, o super empresário que criou um esquema brilhante para inflacionar os preços e as cotações dos seus jogadores circulando-os entre os “seus” clubes , ganhando milhões de cada vez que há mudança. Exemplo claríssimo, o  Renato Sanches, que fez uma época boa, foi elevado a craque e estrela pela imprensa para lá de tudo o que seria razoável, a sua convocatória foi imposta na selecção, foi impingido ao Bayern pelo Mendes por uma verba astronómica e  hoje está a ser um flop total …  no Swansea. Mas tinham outros grandes jogadores, e com a protecção dos árbitros, cooperação da imprensa e silêncio das instituições , o clube sagrou-se tetracampeão de futebol.

Entretanto os negócios geniais e a “gestão 10 anos à frente dos outros” começa a mostrar algumas falhas, por exemplo gastam quase 5 milhões para “roubar” o Carrilho ao Sporting, um favor que nos fizeram, e vendem a maior parte dos craques . A equipa este ano ressente-se , desentende-se e começa a perder jogo atrás de jogo.

E  rebenta o escândalo dos emails, na medida em que pode rebentar um escândalo que a imprensa não quer ver exposto. Alguém roubou uma tonelada de emails do Benfica, entre funcionários e dirigentes, e o que se lê  é de vomitar. Mês após mês são claras  nessas trocas de emails as manobras e acções de altos funcionários e dirigentes do Benfica para corromper e influenciar as competições. Escolhem  os árbitros que querem para os jogos que querem; controlam a carreira dos mesmos arbitros, acumulam informação, muitas vezes de cariz mais do que privado, sobre os intervenientes no jogo desde o arbitro aos operadores de câmara; controlam as convocatórias das selecções, alimentam a comunicação social com as narrativas que escolhem; discutem fugas ao fisco e organizam corrupções e chantagens que metem de tudo o que é sórdido no mundo.

A primeira reacção do Benfica foi dizer que os emails eram falsos. Passado algum tempo, quando se viu que se tratava  de mais de 6gb de dados, começaram a dizer que “não havia ali nada”, que afinal eram verdadeiros mas não eram importantes, não havia lá nada de substancial. Ontem ameaçaram com processos judiciais a quem quer que toque naquilo, ou sejam admitem que são verdadeiros e são importantes. Tudo normal.

Começa a haver contestação interna, mas não se pense que é por estarem escandalizados com a corrupção, a contestação só começa agora porque não se vêm resultados positivos. Estivesse a equipa no topo da tabela e ainda em todas as competições e em vez de ouvirmos “espero que se investigue isso tudo, é uma vergonha para o meu clube” ouviríamos “é só azia, joguem mas é à bola”.

Os mais sensatos, cujo amor ao clube levou a nem quererem acreditar quando já tudo indicava que sim, estão agora preocupados e em silêncio. Depois de anos a mandar bocas  agora dizem “eh pá eu nem quero falar nisso, o futebol está um nojo”. Já está há muitos anos, mas quando éramos nós a dizê-lo éramos invejosos e tínhamos mau perder.

Os mais malucos continuam a negar , confundir, fugir para a frente e recorrer a argumentos tremendos como “vocês não ganham nada, essa é que é a verdade”. Se tudo o que está indiciado nestes anos todos, entre vouchers, fuga ao fisco, trafico de droga, corrupção e tráfico de influências, fosse levado  perante um juiz que detestasse futebol, aposto que dava para mandar o clube para a segunda divisão, prender 3 ou 4 e irradiar do futebol mas 6 ou 7. Como sou dos que acredita que a justiça tarda e muitas vezes falha não espero nada disto, a minha consolação é magra e é só uma : deixaram de poder negar a corrupção que praticaram e que lhes deu tantas vitórias, e a nós tantas amarguras, ao menos isso é certo.

Temos no Sporting um presidente que é odiado por muitos, o que não é mau, ele não está lá para agradar ao máximo de pessoas, está lá para agradar aos sócios e está a fazê-lo. As contas do clube são transparentes, em dia, auditadas, e a situação financeira é sólida e próspera. Correu com os empresários sanguessugas, acabaram os jogadores a granel, construiu-se um magnifico pavilhão para as modalidades, que estão vencedoras e de boa saúde. O estádio está quase sempre cheio de adeptos a vibrar com bom futebol. Os rivais podem ( e certamente fazem-no) revirar céus e terra à procura de indícios de corrupção no Sporting, além do episódio do Pereira Cristóvão, com o qual se lidou como deve ser, não há nada, zero.

Por tudo isto não gosto que me digam que “são todos iguais” porque claramente não são.  Podemos não ganhar nada mais um ano, não é muito grave, pode andar de cabeça mais levantada quem perde com  verdade do que quem ganha com mentira.

Investigações

A semana vai acabar de maneira prometedora em dois casos que me interessam. Primeiro, daqui a pouco o director do FBI que o Trump despediu vai prestar declarações ao Congresso, e eu espero que seja um passo importante na queda do actual presidente, esse insulto andante à inteligência e  à decência . Não me entusiasmo muito com a possibilidade de um impeachment para breve mas dá para sonhar um bocadinho. Entretanto vi umas fotos do presidente do Brasil com a mulher , e fartei-me de rir porque é o caso idêntico ao Trump : um  milionário já com idade para ter juízo que casa com uma modelo que podia ser filha, obviamente atraída pelo intelecto e sentido de humor deles. Pensar que a primeira dama dos Estados Unidos da América está a uma discussão semântica de poder ser chamada prostituta é perturbador. É tudo uma questão de grau, como lembra a velha  piada:

– Dormia comigo por dez milhões de dólares?

-…Dormia

-E por 25?

-Mas você acha que eu sou o quê?

-O que você é está estabelecido, estou só a tentar acertar no preço.

Muita gente acredita que já há bases para um “impeachment” do Trump, mas isso não quer dizer que tivesse sucesso, lembremo-nos da novela com o Clinton. De qualquer maneira só o facto de haver  investigação prova mesmo aos defensores do presidente que as coisas não vão nada bem.

A outra investigação é do nosso Ministério Público, a uma denúncia anónima de corrupção no futebol . Toda a gente com um cérebro operacional, seja de que clube for, reconhece se não em público pelo menos em privado  que o clube da Luz é uma máquina que está 10 anos à frente da concorrência , mesmo em termos de influência no sistema de arbitragem e justiça desportiva nacional, e os resultados estão à vista.

O problema aqui é que o futebol é assunto do coração, e como o clube da luz é o maior de Portugal é normal que também tenha mais adeptos na magistratura, no jornalismo, na política, em todo o lado, que compreensivelmente hesitam em prejudicar o seu clube e são mesmo capazes de encobrir  corrupções. Talvez se encontre uma equipa de investigadores e magistrados que deteste futebol, seria o ideal, um juiz  para o qual as cores das camisolas são completamente indiferentes, que olhasse com distância para os indícios de corrupção  e decidisse  acabar com a pouca vergonha sem se importar com o desagrado que isso possa causar. Eu imagino facilmente  manifestações enormes  e zangadas se houvesse punições severas tipo descida de divisão e dirigentes presos, e imagino-as com um sorriso, mas é preciso ter mesmo uma imaginação activa para pensar numa coisa dessas.

Talvez se comecem a levantar benfiquistas que pensem que é bom ganhar mas não pode ser a qualquer preço, tal como haverá alguns que desejam um presidente sem cadastro nem processos pendentes. Talvez os jornais e televisões comecem a debruçar-se mais sobre as  dívidas  e negócios do presidente encarnado , que só por conta do BES deve 466 milhões (!) ao contribuinte , em vez de analisarem e discutirem as implicações de o presidente do Sporting usar vernáculo e  às vezes ser pouco respeitoso.

Tanto numa investigação como noutra, o resultado só depende da eficiência e independência das instituições que investigam, e apesar de ser bastante pessimista e céptico tenho sempre uma esperança .

Fim de Semana cheio

Um benfiquista católico que goste de festivais, categoria que estimo incluir uns bons milhões de portugueses, vai estar  em festa este fim de semana. Eu não estou em festa mas também não estou incomodado por aí além, muito por não ver televisão e ter deixado de ouvir rádio .

Começando pelo festival , é-me bastante indiferente. Soube que o certame ainda interessava a alguém por houve celeuma na minha terra.Dois dos seus filhos mais dilectos (de quem muito gosto como artistas e tenho um deles como amigo) tiveram uma canção concorrente, que não ganhou e isso passou mal. Tive que ouvir, primeiro a canção deles e depois a que venceu e que vai representar Portugal, e uma vez foi bastante . A pensar em que ocasião é que me apeteceria ouvi-la outra vez, só me lembrei de uma vez que tivesse que adormecer um dos meus sobrinhos pequenos. Parece que o moço, além de transbordar de talento (dizem-me pessoas que o sabem identificar e cuja opinião eu sigo) tem uma história pessoal admirável  e além disso toda a gente vê que tem categoria, é o artigo genuíno e não mais um saltitão cheio dos  blings , swags e fashions diversas que empestam o mundo do espectáculo. Espero que ganhe mas se não ganhar é-me igual , continuo a não me interessar por  festivais.

-O título do campeonato de futebol não é nenhuma surpresa e mesmo que tivesse sido conquistado com toda a lisura de processos pelo puro suor e talento dos jogadores em campo e pelo génio táctico do treinador eu ia ficar aborrecido na mesma e seria sempre um dia mais triste. Em Julho cá estaremos para recomeçar, tenho esperança de melhorias por causa da implementação do vídeo árbitro mas é uma esperança ténue em melhorias ligeiras. Os festejos , tirando uns foguetes que se vão ouvir quando terminar o jogo e uma dúzia de carros que vão dar uma volta à ilha a apitar, também não me alcançam .  Na internet, é questão de ir passando as páginas mais depressa, a onda passa para a semana.  Se subscrevermos uma visão utilitarista da coisa, em que o objectivo  é o maior bem para o maior número , é óbvio que clube da luz ganhar outro título é positivo. É nestas alturas que a filosofia utilitarista mostra as suas limitações.

-Nesta altura a minha irmã está a caminho de Fátima a pé , o meu irmão já lá deve estar e a minha mãe vai seguir atentamente e com emoção a visita do Papa.A minha bisavó estava lá quando muitas pessoas viram o sol em movimentos vários e , contava-me a minha avó, estavam ensopadas da chuva e quando chegaram ao carro  estavam secos. Os meus pais conheceram-se em Fátima, eu cheguei a ir lá quando já não era obrigado e acho que estes exemplos  chegam para mostrar que é uma coisa que nunca levei com ligeireza ou desdém.

Não vou escolher este dia para entrar numa tirada sobre religião. Enquanto Fátima for um conforto e consolo espiritual para pessoas  cuja devoção não leva a prejudicar o próximo, não sou eu que me vou insurgir, reclamar ou achincalhar. Se há quem se queira arrastar um quilómetro de joelhos porque por algum raciocínio particular  acha que isso agrada à Senhora, deve ser livre de o fazer . O aproveitamento comercial e histeria mediática merecem sem dúvida críticas, mas nem todos acham que “aproveitamento comercial” é uma coisa necessariamente má e a histeria mediática só incomoda quem não é capaz de desligar o aparelho.

Gosto do espírito reformista do Papa,da sua bonomia e  da aparente vontade de combater alguns podres da igreja, mas nunca perco de vista que ele está ali como produto e símbolo máximo de uma instituição que para mim   se baseia em pressupostos falsos e leva séculos de mistificações e  manipulações, tantas vezes com resultados trágicos. Não há simpatia que ofusque isto. Há duas coisas que me incomodam quanto a esta visita, uma é a inconsistência filosófica de boa parte da Esquerda que nos governa ao embarcar em procissão para Fátima e mostrar-se papista , agora que o Vaticano faz barulhos sobre temas que lhes são caros e lhes interessa (por serem governo) uma espécie de estado beatífico do país, tipo campeões europeus mas em oração.A  outra é a afamada tolerância de ponto, que não tem justificação  nenhuma e é uma afronta à laicidade do Estado e à suposta igualdade de direitos entre os cidadãos.

Calculo que centenas de pessoas já estejam cansadas de fazer a alusão ao Fado, Futebol e Fátima , os 3 Fs que no tempo do Salazar eram o suporte da estabilidade e contentamento social. Eu gosto de viver num país estável e contente, não me agrada assim muito é o preço que se paga, em 1950 ou hoje.

Rescaldo Eleitoral

Há duas maneiras de avaliar candidatos a uma eleição : ou pelas características pessoais ou pelos resultados obtidos. Quanto à primeira , o estilo do Bruno de Carvalho incomoda muita gente , e não só os adversários, por ser impulsivo, falador , agressivo .A mim agrada-me ter um Presidente que é apaixonado pelo clube , mesmo que  a paixão e a  dedicação às vezes o façam exceder-se.

Quanto à segunda , só os sportinguistas sabem como estava o clube quando Bruno de Carvalho foi eleito em 2013 : penhorado , a vender ao desbarato jogadores para pagar salários , a  negociar e ser esfolado pelos abutres do mercado , a eliminar modalidades , a mudar regularmente de treinador ,  classificado no meio da tabela , achincalhado pelos rivais , a empregar no clube amigos das direcções sem cabimento nenhum, com as assistências no estádio uma vergonha e os sócios em desespero.

Elege-se Bruno de Carvalho e quatro anos depois , as contas estão em dia e a SAD dá lucro , o clube teve lucros extraordinários com a venda de craques e foi capaz de manter outros , os abutres que enriquecem à conta das negociatas foram banidos de Alvalade , construiu-se um pavilhão magnífico onde as modalidades vão continuar a prosperar . Os meus tios ofereceram-me uma assinatura do jornal do clube onde todas as semanas leio sobre títulos atrás de títulos e vitórias e ninguém põe em causa que o Sporting é a maior potência desportiva nacional , porque desporto não é só futebol. Há um canal de TV do clube . Ganhou-se uma taça de Portugal depois de 7 anos à míngua.No ano passado só não ganhámos o campeonato por uma bola à trave ou um cartão mal dado , foi uma época excelente e inclui-se uma supertaça ganha aos maiores rivais , coisa que dificilmente se quantifica. A estrutura está limpa, saíram os parasitas e oportunistas , só se trabalha para o clube e as contas auditadas estão à vista dos sócios. De quinze em quinze dias Alvalade enche e os sócios sorriem outra vez, os rivais espumam à menção de Bruno de Carvalho , o que também agrada a muitos como eu.

Perante este cenário , aparece Pedro Madeira Rodrigues a candidatar-se.Como figura lembrou-me imediatamente um representante da linhagem de filhos família que vinha recuperar a herança do Visconde , pessoa de nível  que sabe estar em sociedade e trata os filhos por você. De pessoas com apelidos hífenados e consoantes duplas que geriram o clube durante muitos anos como se fosse uma extensão do clube de bridge, pessoas de uma classe e correcção a toda a prova que depois era trituradas pelo futebol português , que de classe tem pouco.

A um número grande de betos  sócios dos escalões sociais mais elevados , o estilo do Presidente incomoda , e a isso se agarrou Madeira Rodrigues. O problema foi não perceber que tinha que ser realista e aceitar os méritos enormes da gestão de Bruno de Carvalho , e não foi capaz , nem isso nem de se mostrar uma alternativa séria e organizada .  Acompanhei o debate e no fim prometi que se o Bruno de Carvalho não ganhasse por 60% pelo menos dava a volta à ilha de cachecol do benfica amarrado à cabeça e a partir daí acompanhei de perto a “campanha”, sem nunca ver televisão . Quando o presidente começou a publicar a sua comissão de honra achei que 200 nomes estava bem , mas depois o homem não parou e todos os dias apareciam mais dezenas de nomes , até ao ponto de eu pensar , bem , não falta mais nenhum sportinguista conhecido , mas quem é que apoia o Pedro Madeira Rodrigues ? O candidato foi de fraco a patético a confrangedor , e desperdiçou uma oportunidade de se mostrar e ser alternativa para a próxima , ninguém o vai levar a sério outra vez.

No dia das eleições vi vários  amigos a votar em branco e comecei a ter dúvidas, há bastantes sportinguistas que não gostam do Bruno mas que por razões óbvias nunca votariam no outro. Também pensei que muitos não se dariam ao trabalho de ir votar , dada a qualidade da oposição .Pensei demais na hipótese de ter mesmo que dar a volta à ilha de cachecol do benfica na cabeça , brinquei com um amigo portista a dizer que dava a volta à ilha mas às 3 de manhã, mas não ia fazer isso. Se aposto e perco , pago.

Bom , foi uma noite longa mas fiquei radiante ao ver a actual direcção ganhar por números quase norte coreanos , a oposição a ser esmagada como merecia e o número record de sócios que foi votar , mostrando que o clube está unido atrás deste presidente.

Um clube não se gere como um país e o mandato do presidente é muito restrito : trabalhar exclusivamente para fortalecer o clube.Não é um concurso de beleza , não é eleito para ter boas relações com os outros clubes , não é eleito para não fazer ondas e ser diplomático , não é eleito para apaziguar ou agradar ao máximo de pessoas possível . Se neste próximo mandato , como esperamos , o Sporting ganhar campeonatos de futebol , o homem fica presidente para a vida , e eu não tenho problema nenhum com isso.

Eleições 1

Este é um post muito curto , estão em curso as eleições no Sporting Clube de Portugal , por agora quero só que fique registado que apoio Bruno de Carvalho e que apostei que se não ganhar por pelo menos 60% dou a volta à ilha com um cachecol do benfica amarrado à cabeça. O candidato Pedro Madeira Rodrigues é das figuras mais lastimáveis que já se candidatou ao cargo, e já foram algumas, e a minha esperança é de que seja trucidado nas urnas, por razões de que já vou falar a seguir.