Início » Livros » Edições Modernas

Edições Modernas

Em 2015 escrevi um livro, conta a história de uma viagem marítima entre Malta e Annapolis, nos Estados Unidos, misturada com partes da minha vida pessoal e outros assuntos que me interessam e gosto de explorar. Passado um ano comecei a enviá-lo para editoras, fiquei muito surpreendido (hoje já não ficaria) porque logo a primeira a que enviei aceitou  o manuscrito… com uma condição : eu tinha que comprar uma carrada de exemplares. Todas as “novas” editoras diziam o mesmo e  as editoras “clássicas” nunca me responderam, coisa que também não me surpreende nem incomoda nada porque todos sabemos de escritores  que tiveram os seus primeiros trabalhos recusados dezenas de vezes, anos a fio. Além disso o livro não é assim tão bom, acho-o engraçado e  interessante sobretudo para quem gosta de vela oceânica mas fica-se por aí, e não é falsa modéstia. Também foi uma espécie de terapia, retorci-me para conseguir falar de uma paixoneta que na altura me corroeu por dentro e por fora, fez-me bem remoer aquilo tudo e contar a história. Mesmo que fique sempre uma pequena parte por contar.

Acabo de dizer a outra editora, que me tinha sido referida (por um editor) como sem custos para o autor e que se mostrava  satisfeita por publicar  a história, que  retiro o meu pedido de consideração do manuscrito dado que  afinal sempre querem que eu compre um mínimo de  exemplares. Das coisas que mais me custa é ter que vender alguma coisa, o argumento de que se pode ganhar mais dinheiro vendendo os próprios livros comigo não colhe, sou averso a publicidade e à famosa “exposição” .A  ideia de me ir sentar numa mesinha numa livraria qualquer frente a 4 (ou 40)  pessoas para  falar  sobre o livro confrange-me, e mais ainda a ideia de andar a pedir a amigos e familiares que o comprem, sabendo que grande percentagem o iria fazer precisamente por amizade e laços familiares, por favor e consideração e não por realmente querer ler aquilo. Sei que é assim entre outras coisas porque já comprei livros desses.

Dêem-lhe as voltas que quiserem, estas compras de exemplares pelos autores não são mais do que a cobertura das despesas principais de edição e o reconhecimento ou cálculo da parte do editor de que a publicação só por si não é rentável. Mesmo que tivesse  o dinheiro para financiar uma edição não o faria , gostava de ter um livro publicado  mas tinha que ser pelo seu mérito próprio e não porque paguei para isso. Ainda por cima, além de pagar ia figurar no catálogo de editoras que às vezes me parece que publicam seja o que for desde que se pague.

Sendo assim, a menos que esta última editora recue e aceite publicar a coisa sem me obrigar a comprar exemplares à cabeça, no mês que vem vou oferecer a história em formato PDF a quem a quiser, vou  pôr aqui um link para se descarregar o ficheiro directamente.

Estou  a começar outro, que tem que ser melhor do que o anterior em tudo mas desta vez vai ser ficção, para fazer comentários e falar sobre o que faço e como penso já me basta este blog.

 

 

Anúncios

5 thoughts on “Edições Modernas

  1. é um preconceito teu, há uma porrada de autores que são um sucesso e vendem que nem pãezinhos quentes cujo primeiro livro foi edição de autor. e é uma ingenuidade da tua parte achares que são as editoras quem determina o que é bom, na ditadura do mercado em que vivemos. As editoras em Portugal só querem saber do que vende, não estão nem aí para a qualidade, a profundidade. Como em tudo, é um oportunismo nojento, só quando um autor não precisa delas é que elas se chegam à frente.

    Gostar

    • será preconceito contra as “edições de autor” mas no meu caso é mesmo questão de princípio, por estúpido que possa parecer, gostava que a ser publicado, fosse por mérito próprio, e qdo digo mérito próprio digo que alguém considere que aquilo merece ser pago para ser lido. Não deixa de ser verdade que sou ingénuo em muitas coisas… 🙂

      Gostar

      • Mas quem compra, paga para ler… E porque é que há de ser um gajo qq numa editora a ditar que o que escreves tem mérito? Quem é ele? Que importância lhe estás a dar, ainda por cima sem sequer o conhecer, saber se é inteligente, se tem a ver contigo. Quantos novos autores conheces em que as editoras apostaram sem que os autores tivessem feito o trabalho primeiro e angariado um público consistente? ou ganho um prémio literário? isso não existe em PT, só nos EUA…

        Liked by 1 person

  2. Eu conheço muito pouco, quase nada, do mundo da edição de literatura, leio mais ensaios e História. E sim , é ingénuo pensar que só porque uma pessoa tem o emprego de editor é o juiz último da qualidade ou interesse do textos.

    Gostar

Responder

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s