Início » Açores » Correspondência

Correspondência

É um truísmo dizer que o ritmo das estações se sente mais no campo,  se o campo fica no meio do Oceano isso ainda se torna mais verdade. Começa hoje o Inverno , e ainda estou para perceber qual a razão que levou os proponentes de uma nova grafia para o Português a achar que as estações do ano não mereciam maiúsculas. O Outono foi excelente e a chave para passar um bom Inverno é a preparação. Tirando um pequeno problema com a chaminé da salamandra (à espera de peças , vem no próximo barco) estou pronto para a quase hibernação invernal , e estou muito entusiasmado porque comprei uma arca congeladora e uma máquina de fazer pão, com estas duas maravilhosas conveniências da vida moderna posso ir às compras só de quinze em quinze dias .  Com hibernação não quero dizer não sair de casa, é mais não ter que sair da propriedade se não me apetecer, até o cão corre aqui à porta.

A minha caixa do correio fica um bocado afastada da casa e  de vez em quando o carteiro entrega-me a correspondência quando nos cruzamos na estrada ,como hoje. A correspondência é sempre rara e boa parte é publicidade, entre outras coisas hoje recebi este envelope :

img_20161221_145523

Já tinha reparado que aqui os partidos políticos comunicam muito por correspondência , além das boas festas recebo sempre informação sobre as actividades dos partidos na região , e na ilha . No envelope do PCP , com as boas  festas  e uma carta do deputado vinham 4 cópias a cores dos recentes requerimentos do PCP na Assembleia Regional. Estes requerimentos não são mais do que perguntas formais ao governo , eu aprecio que se pergunte  e louvo a vontade de comunicar com os cidadãos mas pergunto-me se não se estão aqui a desperdiçar recursos com estes mailings tão frequentes. Se me mandam isto a mim calculo que mandem a toda a gente , talvez a todos os eleitores recenseados , 3100. Que mandem só aos votantes , que nas últimas eleições foram 1000 .Que mandem a um terço  por causa das casas com vários eleitores, 300 . Pergunto-me que sentido faz  a cada semestre imprimir 1200 páginas a cores , agrupá-las e enviá-las para 300 casas nas quais ( arrisco , dois terços vão directo para o lixo , uma dúzia é   lida por curiosidade e o resto é lido por pessoas que já apoiam  o deputado.

Acho um desperdício, ainda por cima porque os requerimentos versam temas dos quais todos os partidos  regularmente falam , como  das lixeiras e as “acessibilidades” , são  temas recorrentes mesmo que a situação melhore a olhos vistos.  Outros , como o mau cheiro que se faz sentir na Escola Básica , dificilmente valem enviar para todos os eleitores uma cópia formal do requerimento…certamente que há coisas mais sérias para implicar do que com os mailings dos partidos mas o tema da comunicação entre os políticos e os eleitores interessa-me bastante e isto ilustra bem o número de coisas que se fazem por hábito ou por precedente , sem de vez em quando tentar avaliar os resultados do que se está a fazer.

Por exemplo , apesar de estar demonstrado que a relação entre ganhos eleitorais e número de cartazes é no máximo ténue , continuam-se a emporcalhar paredes e erguer placards idiotas a cada eleição.  Aqui um  deputado tem a possibilidade rara de poder falar pessoalmente  com todo o eleitorado , pelas minhas contas e se fosse esse o objectivo fazia-o em 3 meses dedicando menos de metade de cada dia à coisa , em dois meses eliminando os visceralmente opostos e falando com famílias ao mesmo tempo. Gostava de ver isso e mentia se dissesse que nunca pensei em  me meter na política , mas só o modo como dizemos isso,  “meter-se na política” , repele-me logo. Além disso há 3 factores que me impedem sequer de pensar nisso a sério , o primeiro é que ser continental é uma desvantagem que eventualmente  esmoreceria  só  com décadas de serviço prestado.O segundo , actividade política ou candidatura a cargos implica escrutínio e atenção pública e obrigação de prestar atenção à opinião pública sobre a minha pessoa , não quero nada disso . Por fim talvez o mais importante , dado que há muitas maneiras de ter actividade politica sem ser necessariamente candidato um cargo : não há partido para mim , já me custa muitas vezes votar num quanto mais juntar-me a um e trabalhar por uma agenda .

De qualquer modo ,  é verdade  que proximidade entre eleitores e eleitos dá para os dois lados ,  aqui é muito fácil falar directamente com deputados e autarcas e se um dia achar que tenho uma contribuição válida e que a quero dar  nada me impede de a oferecer , sem mais compromisso nenhum.

Este  foi dia de correio “especial” ,além do envelope do PCP recebi uma factura de uma conta que paguei há dois meses , um serviço de assinaturas na Noruega que me permite assinar uma publicação com preços de estudante. Já funcionou bem no passado mas agora está-me a irritar porque é o segundo aviso que recebo , da primeira vez disseram-me de lá que devia haver um problema de atraso com a transferência , mas dois meses é demais. Eu devia saber que não me devia meter em negócios com países de terceiro mundo com  sistemas bancários do século passado e uma cultura de corrupção , estes Noruegueses nunca me enganaram…até agora.

Recebi também uma factura da Vodafone , diz que eu lhe devo uma penalidade contratual de 50€. Não duvido que estivesse lá nas letras miudinhas mas cobrar uma penalidade quando eu mudo o contrato para uma tarifa superior parece-me uma prática bastante estúpida. Felizmente vou amanhã para Lisboa e vou ter a possibilidade de passar umas horas numa loja Vodafone à espera de  explicações. Se por acaso insistirem, cancelo o contrato todo , cerro os dentes e pago outra penalização mas  eles perdem um cliente de toda a vida e com contas em dia  , felizmente há muita gente a vender o que eles vendem e quando as companhias tomam  atitudes que nos desagradam só há uma coisa a fazer , não lidar com elas.

Recebi também  um livro, o volume que  me chamou logo a atenção . Veio de Inglaterra , sem remetente , é um livro novo , “Narrow Dog to Carcassone” que pelos vistos é uma comédia sobre um casal que decide ir num narrowboat  de Inglaterra ao Mediterrâneo. Não estou habituado a receber correspondência anónima , sei que tenho dois ou três amigos ingleses capazes de me mandar um livro mas se o fizessem metiam um bilhete ou pelo menos avisavam , por isso estou intrigado com isto. De qualquer maneira , receber um livro é sempre bom.

 

Responder

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s